Praça-do-Relógio_122-14_foto-Cecília-Bastos-50.jpg

Praça do Relógio - 10.12.2020 - foto: Cecília Bastos/USP Imagens

          Yo tengo tantos hermanos
           Que no los puedo contar
       Y una hermana muy hermosa
                  Que se llama
                     Libertad

(Atahualpa Yupanqui)

A excelência da Universidade de São Paulo é construída coletivamente por estudantes,
pesquisadoras(es), docentes e servidoras(es). A Assembleia Universitária votará nessa quinta-feira para escolher as pessoas que terão a missão de conduzir os rumos da USP nos próximos quatro anos. Agradecemos a acolhida que nossas propostas receberam ao longo da campanha e a confiança expressa na consulta do dia 22/11.


Reafirmamos nossos compromissos com uma agenda inovadora e renovadora para a USP,
centrada na valorização das pessoas, no respeito e promoção da diversidade, na busca pela
superação das desigualdades de oportunidades para nossa juventude, na excelência da pesquisa científica e acadêmica e de sua disseminação na sociedade, na inovação tecnológica e na qualidade do ensino. A administração estará a serviço do cumprimento das missões da universidade, buscando sempre aprimorar mecanismos de boa governança.


Cuidar das pessoas ocupará parte importante da nossa agenda. Temos clareza da necessidade
de recuperar o poder aquisitivo de servidoras e servidores docentes e não-docentes. Precisamos atrair e reter jovens talentos na USP, com salários competitivos e estrutura adequada para desenvolverem suas carreiras aqui. Também precisamos ampliar as políticas de acesso, permanência e pertencimento, com a criação de uma nova pró-reitoria, que sinaliza a importância que atribuímos ao desafio. Não será uma única estrutura centralizada mas a coordenação de iniciativas que devem ser conduzidas em cada unidade, instituto e museu, com ampla participação e discussão da comunidade universitária.


A USP deve ter protagonismo na defesa da liberdade acadêmica e da democracia brasileira e no combate ao negacionismo, que vem sufocando a ciência, a saúde pública e a universidade. Nossa voz precisa ser ouvida na defesa do apoio público à ciência e à cultura e na promoção de objetivos de desenvolvimento sustentável. A autonomia da universidade é condição indispensável para o enfrentamento desses desafios.


Nossa confiança no futuro decorre do empenho e dedicação incansável de um grande conjunto
de pessoas, movidas pelo comprometimento com uma universidade pública e voltada ao bem
público. Esse foi o combustível para nossa campanha. Nossas propostas nasceram de amplas
discussões e muito diálogo. Pedimos os votos de eleitoras e eleitores na Assembleia Universitária para manter esse diálogo permanente com todos os segmentos da USP e com a sociedade nos próximos quatro anos.


 

Carlos Gilberto Carlotti Junior, Candidato a Reitor
Maria Arminda do Nascimento Arruda, Candidata a Vice-Reitora