Praca-Relogio_84-20_fOTO-Cecilia-Bastos_USP-Imagem-03.jpg

Praça do Relógio - 10.12.2020 - foto: Cecília Bastos/USP Imagens

A USP conta com um reconhecimento mundial inegável, demonstrado pelo grande número de intercâmbios e acordos internacionais, pelo volume expressivo de publicações conjuntas com colaboradores estrangeiros e pelo volume de citações em revistas acadêmicas do mundo todo. Igualmente grandes são os desafios derivados da importância estratégica assumida pelas inúmeras políticas de internacionalização praticadas pela Universidade. O primeiro desses desafios consiste em fazer com que o processo de internacionalização da USP assuma uma dimensão transversal, abarcando as atividades de inovação, pesquisa, fomento cultural, mobilidade internacional e fortalecimento de boas práticas administrativas. 

Falar em transversalidade implica afirmar a capilaridade da internacionalização como um autêntico princípio que não se limita às práticas burocráticas centralmente coordenadas. Daí a necessidade de descentralizar e estender as políticas e os recursos às Unidades, fomentando a criação de comissões de cooperação internacional locais onde estas não existirem, assim como estimulando seu aperfeiçoamento nas Unidades que já contam com este tipo de comissão.

A pandemia e a consequente “virtualização” das atividades universitárias nos levaram a superar, por meio de ferramentas tecnológicas, as limitações da distância física. Essa superação das distâncias vai se acelerar e se aprofundar no próximo período, o que descortinará uma nova realidade, potencialmente disruptiva, nas práticas de internacionalização acadêmica. É necessário que a USP consiga avaliar estrategicamente essa nova realidade, propondo modelos alternativos – já conhecidos como “híbridos” – de organização de nossas práticas internacionais, para melhor apoiar as Unidades. É necessário formular políticas vocacionadas para a consolidação do ambiente acadêmico internacional na USP, apto a incrementar de fato a interação e a formação de estudantes, pesquisadoras e pesquisadores, além de potencializar o alcance de nossos projetos de pesquisa e atividades culturais. 

Os desafios para os próximos anos, além da manutenção das atividades atuais, implicam o aperfeiçoamento permanente da avaliação das ações e, sobretudo, maior investimento na disseminação de informações e oportunidades geradas a partir das parcerias estabelecidas. Para tanto, há necessidade de aperfeiçoar a profissionalização das representações internacionais de cada Unidade e sua inserção nos órgãos centrais. Também se faz necessário sistematizar as experiências mais estruturadas das unidades, divulgando as mais exitosas e incrementando o fluxo e o acompanhamento das ações. 

 

NOSSOS COMPROMISSOS

  1. Manter o Programa Print Capes/USP de estímulo à mobilidade de docentes e discentes, iniciado em 2019 e interrompido pela pandemia.
     

  2. Aumentar o número e a abrangência dos cursos de línguas estrangeiras para estudantes de graduação e pós-graduação.
     

  3.  Estimular disciplinas em língua estrangeira, não só para a atração de estudantes estrangeiros, como para contribuir para o desenvolvimento de nossos alunos.
     

  4.  Atuar na prospecção mais ativa de fomento internacional em conjunto com nossos parceiros.
     

  5. Incrementar a articulação das várias instâncias da Universidade que trabalham com a internacionalização, de modo a facilitar o fluxo de informações e o processo decisório.
     

  6. Apoiar e estimular a organização pelas Unidades de Summer/Winter Courses/Schools como estratégia para a consolidação de acordos internacionais e aproximação de nossos estudantes e pesquisadores com parceiros internacionais.